Artigo publicado no Assovio - Periódico da Associaćčo Gaúcha do Violčo, v. 1, n.1, Porto Alegre, 1999.

 

O USO DO VIBRATO NO VIOLŐO

Daniel Wolff

 

O vibrato é uma importante ferramenta na interpretaćčo de uma obra. Tanto na música erudita como na popular, o vibrato pode ser usado para destacar ou alterar a sonoridade de uma nota, dando maior interesse ą interpretaćčo. Basta observar com atenćčo os instrumentistas de arco (violinistas, violoncelistas) para perceber o proveito que estes músicos obtźm do vibrato. Curiosamente, apesar do vibrato ser facilmente realizado no violčo, poucos violonistas dčo a ele a atenćčo merecida durante o estudo do instrumento. Este artigo visa fornecer algumas informaćões sobre o vibrato no violčo, bem como sugerir possíveis exercícios para dominar a sua mecČnica.

Existem dois tipos de vibrato no violčo, ambos realizados pela mčo esquerda:

1.    Vibrato longitudinal: A mčo alterna movimentos para a direita e a esquerda no sentido longitudinal da corda, alterando o som para o grave e o agudo respectivamente.

2.    Vibrato transversal: O dedo alterna movimentos para cima e para baixo, num Čngulo de noventa graus em relaćčo `a corda, alterando o som para o agudo em ambas direćões do movimento. Geralmente é reservado para as primeiras casas do braćo do violčo, nas quais o vibrato longitudinal dá poucos resultados.

A velocidade do vibrato é variável de acordo com a velocidade e o caráter do trecho musical em questčo. Passagens rápidas e enérgicas requerem um vibrato rápido, enquanto passagens lentas e melancólicas prestam-se mais ao vibrato lento. Portanto, é de fundamental importČncia para o violonista poder controlar a velocidade do vibrato.

Este controle pode ser facilmente adquirido e desenvolvido através de exercícios técnicos. ň guisa de exemplo, o leitor encontrará abaixo duas sugestões de exercícios.  O primeiro exercício, que deve ser praticado com todos os dedos da mčo esquerda, apresenta o vibrato com ritmos progressivamente mais rápidos, de forma a permitir o domínio de diversas células rítmicas na execućčo. O mesmo exercício pode ser aplicado a acordes de duas a quatro notas, em diversas posićões no braćo do violčo. Para uma maior precisčo rítmica, é recomendável praticar com metrônomo.

Um freqüente problema para os estudantes de violčo é aplicar o vibrato a várias notas sucessivas de uma melodia. Geralmente, há uma tendźncia a interromper o vibrato momentos antes da mudanća de nota. O segundo exercício visa assegurar um vibrato contínuo em dois ritmos diferentes, quiálteras e semicolcheias.  Ao prática-lo, deve-se concentrar em evitar interrupćões no vibrato durante as mudanćas de notas. É aconselhável que o leitor crie também suas próprias variantes deste exercício, alternando dedos e cordas nčo adjacentes, incluindo saltos para outras posićões, etcetera. Para obter sugestões de outros exercícios, sugiro consultar professores e métodos de instrumentos de arco, nos quais exercícios para o domínio do vibrato sčo freqüentes.

Uma vez dominada a mecČnica do vibrato, o violonista terá ą sua disposićčo uma importante ferramenta para dar maior requinte ą interpretaćčo. O vibrato nčo apenas serve para ressaltar o caráter de uma passagem, como também auxilia na obtenćčo de interessantes efeitos. Por exemplo, em uma nota ou acorde de longa duraćčo, um vibrato progressivamente mais rápido cria a ilusčo de um crescendo, efeito impossível de obter em instrumentos de corda pulsada como o violčo. Da mesma forma, no acorde final de uma frase, pode-se usar um vibrato progressivamente mais lento, contribuindo para destacar sua funćčo conclusiva. As possibilidades, enfim, sčo infinitas. Cabe ao leitor fazer bom uso de sua criatividade para obter o melhor proveito do vibrato, elevando o nível de sua execućčo.

 

 

© 2001  Copyright de Daniel Wolff. Todos os direitos reservados.